No que toca a iluminação de Natal, uma das melhores do país costuma ser a da cidade do Funchal, na ilha da Madeira, cujos preparativos já estão em marcha. A partir do dia 8 de Dezembro, a capital da Região Autónoma passará a ser iluminada por uma das decorações festivas que a têm caracterizado nos últimos anos. Mais tarde, no dia 23, haverá uma festa no Mercado dos Lavradores - a Noite do Mercado - assim como nas ruas e espaços vizinhos.


Contudo, se não faz parte dos seus planos passar a quadra natalícia no arquipélago conhecido pelas suas celebrações de Natal e de Ano Novo, não deixe de as viver tão ou ainda mais intensamente. Graças a toda a variedade de decoração natalícia para interior e exterior que se encontra disponível para todas as famílias adquirirem, é impensável que não aproveite a oportunidade para enfeitar a sua casa e árvore de Natal. Na sua lista, obviamente, não deve faltar a iluminação de Natal interior - que, lá por ser caseira, não significa que não tenha o seu valor especial. Não podemos esquecer a iluminação de Natal exterior, adequada para enfeitar fachadas de casas, lojas, centros comerciais e até árvores em Jardins, ou avenidas


Celebre sempre a luz do amor e de um novo ano que se aproxima!



Por que é que é tradição enfeitar a casa e a árvore de Natal com luzes?


A par das decorações exteriores nas ruas mais centrais das cidades, vilas e aldeias, também o seu lar merece um pouco de luz. Esta é já uma tradição que, estando tão enraizada na nossa maneira de celebrar, nem sequer costuma ser alvo de reflexão acerca do seu verdadeiro significado.


Na verdade, a iluminação de Natal não foi sempre eléctrica, como é óbvio. Antes de a electricidade ter sido inventada e democratizada e antes de se inventarem as luzes que se ligam às fichas, os objectos utilizados eram velas.


Tanto velas como luzes eléctricas, independentemente de qualquer avanço tecnológico, escondem um simbolismo marcadamente religioso no seio da celebração cristã e até pagã. Na primeira, toda a fonte de luz simboliza Jesus Cristo (ou, como as crianças preferem chamar-lhe, o Menino Jesus) que nasceu para ser a luz do mundo. Mas, apesar de a iluminação de Natal ter agora uma conotação cristã, a sua derradeira origem é realmente  pagã, simbolizando o solstício, em que dias mais curtos e noites mais longas dão lugar ao crescimento dos dias e diminuição das noites - ou seja, o regresso da luz.


Assim, aliando as duas tradições, acender uma vela ou uma lâmpada propaga a mensagem de amor, paz, fraternidade e generosidade, tal como de calor e claridade. Até parece que o ambiente de um espaço iluminado é mais agradável e harmonioso, quase místico - o clima ideal para a convivência da família.



Este ano, quando ligar a iluminação de Natal na sua casa, já saberá porque é que sempre sentiu que ela ficava mais acolhedora. A tradição fala por si! Saiba mais com a Misterius