Para inúmeras famílias ocidentais, o natal será eventualmente a festa mais importante e mais celebrada. Este fenómeno religioso e de herança cultural, com usos, costumes e de tradições bem vincadas, marca indubitavelmente os comportamentos numa época do ano muito especial, cheia de simbolismo, sentimentos e motivações.

As árvores de natal são, eventualmente, um dos adereços decorativos da quadra natalícia mais enraizados e, amplamente utilizados, assim como a importância do ritual gastronómico, com a confecção e degustação do bolo rei e dos sonhos.

Árvores de Natal reúnem a família e a tradição


Este frenesim festivo motiva adultos e crianças que, por altura das festividades, se juntam, em esforços infindáveis para garantir o seu embelezamento. Trata-se de uma espécie de um desfile de objectos vulgarmente vistosos e apelativos e que vão sendo estrategicamente colocados nas árvores de natal, com base em princípios, motivações e nas possibilidades financeiras dos seus entusiastas.

É do conhecimento geral que existem os mais diversos tipos de árvores de natal:

· Os tradicionais pinheirinhos naturais;

· Os artificiais, desmontáveis ou fixos;

· Verdes, brancos, grandes médios e pequenos.

 Existem árvores de natal para todos os gostos, em diversos tamanhos e de maior ou menor qualidade, dependendo dos gostos e sobretudo da crendice de cada um.

Ano após ano repete-se o desafio de embelezar cada árvore com os mais diversos objectos, por vezes como se de um concurso se tratasse:

· Luzes de natal;

· Bolas de natal coloridas e fitas de natal brilhantes;

· Algodões e espumas de neve;

· Sinos, pais natal e estrelas cadentes;

· Presépio de natal e prendas.

No fundo uma infinidade de possibilidades tendo em conta os gostos e motivações pessoais.

árvore de natal encaixa perfeitamente na tradição, independentemente do tipo e formato


Na generalidade das habitações portuguesas, as árvores de natal marcam uma posição festiva, sinónimo de harmonia, alegria, conforto, religiosidade e família. Existem contudo algumas excepções que relativizam a sua importância e, atribuem um significado meramente decorativo e pagão.

Apesar das aparentes divergências quanto à sua importância e significado, actualmente trata-se de uma tradição de carácter predominantemente ocidental e obrigatoriamente consumista.

Num passado algo longínquo, antes da era cristã (AC), grande parte dos povos da Europa e alguns do continente asiático já atribuíam importância estética e mitológica às árvores, cuja verticalidade parecia querer significar uma relação de proximidade e união entre o céu e a terra.

Alguns povos tendo como pressuposto este tipo de culto entenderam decora-las com alguns objectos, atribuindo-lhes assim honras de importância divina. Ao que tudo indica, facilmente se adoptou a transposição deste ritual para o simbolismo natalício (séc. XVI) e, como tal, facilmente se banalizou o uso e embelezamento da árvore de natal, bem como, o seu significado.

Esta tradição milenar foi alastrando a outros continentes, como o americano e adoptada por diversas correntes religiosas um pouco por todo o mundo.

Da democratização do seu uso, resultou uma indústria muito completa e diversificada de todo o tipo de produtos. Hoje, a oferta de materiais decorativos, permite um leque de opções muito vasto para todos quantos apreciam o natal.

Pode concluir-se que estamos perante uma das formas mais vulgares e mediáticas de demonstração deste feeling tão peculiar de celebração e de participação. No fundo o embelezamento das árvores de natal, a par da confecção de sonhos e bolo rei, sobretudo num ambiente descontraído e familiar tornaram-se condição obrigatória.

Deixou de ser necessário o machado ou a serra para conquistar o incontornável pinheiro de natal. Nem vale a pena desesperar por não saber onde, quando e como consegui-lo, porque, para atingir este objectivo, deixou de existir a necessidade de se deslocar ou sujeitar-se a grandes incómodos e constrangimentos.

Saiba que tudo está hoje tranquilamente à distância de uma simples pesquisa... Saiba mais com a Misterius e feliz Natal!